top of page
marmore.png

Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Reabilitação Neuropsicológica


Uma das sequelas mais comuns após um AVC é o défice cognitivo, que depende em grande parte da localização e da extensão da lesão.


À semelhança das limitações físicas, os défices cognitivos condicionam largamente a qualidade de vida da pessoa, interferindo na sua autonomia e funcionalidade, assim como nos aspetos emocionais e comportamentais.

 

As dificuldades cognitivas mais relatadas pós AVCs são:

  • Dificuldades de Concentração;

  • Esquecimentos Frequentes/Perda de Memória;

  • Prejuízo na capacidade de raciocínio (planeamento, cálculo, flexibilidade mental);

  • Alterações Comportamentais (impulsividade, depressão, irritabilidade, apatia, entre outras).

 

No sentido de fazer face a estas dificuldades que podem comprometer a qualidade de vida da pessoa, surge a Reabilitação Neuropsicológica, que assume um papel relevante na recuperação das funções cognitivas e na estabilização emocional e comportamental.

 

Nestes casos, o procedimento inicial passa pela realização de uma Avaliação Neuropsicógica que permitirá identificar as sequelas cognitivas e emocionais e definir o potencial de reabilitação e os objetivos da intervenção.


Posteriormente a realização de sessões de estimulação e treino cognitivo (com recurso a tarefas computorizadas, a exercícios de papel e lápis e à adoção de estratégias compensatórias) permitirá à pessoa aproximar-se ao máximo da sua funcionalidade antes do AVC.

 

É crucial intervir atempadamente, no sentido de reduzir as limitações cognitivas impostas pelo AVC e proporcionar ao paciente uma melhor qualidade de vida.




 
Logótipo Centro Medular


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page